Buscar

Verão é tempo de repor vitamina D.




O verão chegou com tudo e podemos aproveitar os dias de sol para cuidar da saúde suprindo a necessidade de vitamina D. Mas o que o sol tem a ver com tudo isso? A síntese da vitamina D pelo organismo se dá principalmente pela exposição do corpo aos raios ultravioletas do tipo B. Recomenda-se banhos de sol antes das 10 e depois das 16 horas sem o uso de protetor solar e com a maior quantidade possível de pele exposta (braços e pernas dão conta do recado). Também podemos fornecer a vitamina ao nosso organismo por meio de dietas ricas em alimentos como os óleos de fígado de peixe, salmão, atum, ostras e alimentos derivados do leite, como manteiga e queijos. Infelizmente a ingestão desses alimentos não dá conta da quantidade mínima necessária para a manutenção do organismo, mas auxiliam na sua suplementação, então banhos de sol são indispensáveis para se manter saudável.

Benefícios da vitamina D. - Mantém a saúde óssea e dentária - Fortalece o sistema imunológico - Estimula o humor quando ingerida com o ácido graxo DHA ômega-3 - Auxilia no controle neuromuscular - Ajuda a regular o peso corporal - Ajuda a evitar inflamação relacionada ao envelhecimento - Aumenta o comprimento dos telômeros (fator de longevidade) - Diminui o risco de muitas doenças crônicas e degenerativas

Como diagnosticar a falta. Sensação de fadiga, fraqueza, mal-estar, dor nos ossos e espasmos musculares podem alertar sobre a deficiência. Mas, para verificar se existem níveis adequados de vitamina D, deve ser dosada a concentração de 25-hidroxivitamina D (25(OH)D) através de exame clínico. Ainda não existe um consenso sobre a concentração ideal da vitamina no organismo, a maioria dos especialistas concorda que o nível deva ser mantido em uma faixa que não induza aumento dos níveis de PTH, o hormônio da paratireoide. O diagnóstico da deficiência é observado quando se tem resultados menores que 30 ng/ml.

Importância na gravidez. Ao planejar uma gestação, deve-se ficar atenta aos níveis da vitamina D. Isso porque sua carência está correlacionada com a incidência de baixo peso de recém-nascidos e com a diabetes gestacional. A vitamina D é um hormônio fundamental para o bom funcionamento do organismo de uma mulher grávida, ela ajuda a diminuir o risco de aborto espontâneo, promove o crescimento saudável da placenta e pode reduzir risco de pré-eclampsia, que é quando a mulher tem aumento da pressão arterial durante a gravidez.

Importância para idosos. O grupo dos idosos também merece atenção especial na checagem dos níveis. O processo de envelhecimento contribui no afinamento da epiderme e derme, causando a baixa incidência nas reservas da vitamina D devido a diminuição da absorção de raios UVB pela pele. A pele de um idoso sintetiza cerca de um terço a menos de vitamina D quando exposta ao sol em comparação com pessoas mais novas. Por isso, apesar da dieta ser responsável por prover cerca de apenas 20% da vitamina ao organismo, ela acaba sendo um fator de fornecimento muito importante ao grupo.

Importância para crianças. Sendo necessária principalmente para a absorção do cálcio pelos ossos, a falta de vitamina D no organismo é associada principalmente ao raquitismo em crianças, doença que causa o retardo do crescimento, ossos amolecidos ou com deformações, problemas nos dentes e atraso no desenvolvimento. Sua prevenção deve ser associada à exposição solar, alimentos ricos em vitamina D e suplementos

Doenças causadas pela falta da vitamina D. Em adultos está associada a osteoporose e osteomalácia, em crianças ao raquitismo. Estudos recentes têm relacionado a carência de vitamina D à várias doenças autoimunes, como diabetes mellitus insulino-dependente, esclerose múltipla, doença inflamatória intestinal, doenças inflamatórias cutâneas, lúpus eritematoso sistêmico, artrite reumatoide, entre outras. Em resumo, o efeito da vitamina D no sistema imunológico é responsável pelo aumento da imunidade inata, aquela que já nasce com o indivíduo e regulação da imunidade adquirida, aquela que desenvolvemos ao longo da vida e que nos protege de microrganismos. Sugere-se que a vitamina D não só previne o desenvolvimento dessas doenças como também poderá ser utilizada no seu tratamento.

Curiosidades. - Há algum tempo a vitamina D, pertencia ao grupo de vitaminas por acreditar-se que o organismo não sintetizava o composto em quantidade suficiente, sendo necessário obtê-lo através de alimentos. Entretanto, a vitamina D se enquadra como um hormônio esteroide e 80% de sua produção se dá através da exposição da pele a radiação ultravioleta do tipo B.

- O grau de pigmentação da pele influencia diretamente a quantidade da produção de vitamina D pelo organismo. Por ter maior limitação à penetração de raios UVB devido a alta concentração de melanina, peles mais escuras precisam de maior tempo de exposição solar para a produção do hormônio. Recomenda-se cerca de 15 à 20 minutos de banho de sol para peles claras e de 45 à 60 minutos para peles negras.

BDG-Brasil / Jornalista - Thamires Almeida

0 visualização
Médicos

Exames
Serviços
Cadastro
Empresas
Exames
Serviços
Cadastro
Parceiros
Mídia
Serviços
Cadastro

SAC: 71 3535.0035

© 2018 - Clab Laboratório | Todos os direitos reservados  •  By - BDG Brasil